sábado, 31 de março de 2012

Machismo no Esporte: Ainda Existe?



Por Daniel X.

Nas últimas semanas uma imagem que tem circulado na internet  chamou minha atenção.
Uma mulher correndo no meio de homens, com um juíz tentando impedí-la de seguir o percurso. A mulher na foto é Kathrine Switzer, a primeira mulher a correr uma maratona. Até então não conhecia a história da corredora. 

Kathrine Switzer nasceu em 1947 e foi a primeira mulher a correr na maratona de Boston, em 1967, numa época onde só homens poderiam participar deste tipo de prova, pois os organizadores alegavam que nenhuma mulher teria resistência tal percurso.
Sua participação só foi possível porque se inscreveu de forma ilegal no evento, usando o nome "KV Switzer".

No meio da corrida, um dos juízes a viu e correu pra tirá-la da prova.  Jock Semple, seu primeiro marido,  juntamente com outros homens que estavam perto dela, a escoltaram até a linha de chegada. Ela completou a prova em 4 horas e 20 minutos.
Cinco anos depois a prova foi aberta também às mulheres.

  

Switzer se tornou comentarista de TV, escritora, executiva, e palestrante. Apareceu também no filme "Spirit of the Marathon" juntamente com outros atletas amadores e maratonistas como Ryan Bradley, Leah Caille, Deena Kastor, Jerry Meyers, Lori O'Connor, Frank Shorter, Paula Radcliffe e Paul Tergat.


Livros publicados por Kathrine Switzer:
   

Assim como outras mulheres (e homens também), Kathrine ajudou a quebrar as barreiras do machismo no esporte.

Mas questão é:  Ainda existe machismo no Esporte?

Justamente no mês em que se comemora o dia da Mulher, uma corrida em MG lançou em seu regulamento onde a premiação das categorias masculino e feminino eram diferentes. 

Geral Masculino:
1º - Troféu + R$ 750,00, 2º - Troféu + R$ 500,00, 3º - Troféu + R$ 300,00, 4º - Medalha + R$ 150,00, 5º - Medalha + R$ 120,00

Geral Feminino:
1º - Troféu + R$ 300,00, 2º - Troféu + R$ 150,00, 3º - Troféu + R$ 120,00, 4º - Medalha + R$ 100,00, 5º - Medalha + R$ 80,00 

Ou seja, o 1º lugar masculino receberia mais que o dobro do 1º lugar feminino. Quais seriam os critérios usados para decidir que o homem deveria ser mais valorizado que a mulher?  

Se alguma categoria devesse ser mais valorizada, essa deveria ser a categoria feminina, não? 
Afinal, fisiologicamente as mulheres estão em evidente desvantagem:
  • Os homens tem corações maiores, com maior volume, do que as mulheres, o que significa que o VO2 máximo (quantidade máxima de oxigênio que o corpo pode utilizar) do homem chega a ser 20 por cento superior ao da mulher. 
  • Os homens também carregam 11 por cento mais oxigênio no sangue do que as mulheres, o que lhes dá uma vantagem adicional num esforço  prolongado.
  • Os hormônios também influenciam. Para os homens, a testosterona constrói ossos e músculos e ajuda a reconstrução dos tecidos de ligamento - todos importantes para a corrida. Em contraste, o principal hormônio feminino, o estrogênio, favorece o acumulo de gordura, uma desvantagem óbvia.
  • Diversos sintomas físicos e até mesmo mentais que ocorrem com às alterações hormonais. 
  • A própria anatomia favorece aos homens na hora da corrida. Homens desenvolvem ombros mais largos, enquanto as mulheres desenvolvem quadris mais largos, o que faz com que o ângulo do fêmur do quadril ao joelho seja mais pronunciado na mulher, dificultando a corrida.
  • TPM, períodos menstruais, recuperação pós parto.
Então por quê homens deveriam ser melhor premiados que as mulheres?!!

Posteriormente o regulamento da corrida foi alterado e as premiações igualadas.

Apesar de todas as conquistas adquiridas pelas mulheres como, direito de votar, direitos trabalhistas, direitos na gravidez, Lei maria da Penha, entre outras, sabemos que ainda há muito o que avançar na luta contra o machismo.

Também nesse mês, o governo recuou da ideia de sancionar o projeto de lei que puniria as empresas que pagarem salário menor para as mulheres contratadas para a mesma atividade realizada por empregados homens, embora a própria presidente do país, afirme que "em certas circunstâncias, a mulher continua sendo a mais pobre dos pobres, a mais sofredora entre os sofredores".

Que as Mulheres tenham seus direitos cada vez mais respeitados. Essa é uma luta de todos, tanto homens quanto mulheres.

Encerrando o mês de março, deixo minha homenagem  a todas as Mulheres, desde Donas de Casa à "presidentas". 
   

"Pode-se graduar a civilização de um povo pela atenção, decência e consideração com que as mulheres são educadas, tratadas e protegidas."
Marquês de Maricá


Curiosidades:
  • A primeira prova oficial de maratona feminina foi nos Campeonatos da Europa de Atletismo em Atenas em 1982, onde a vencedora foi atleta Rosa Mota.
  • A maratona feminina foi introduzida nos Jogos de Los Angeles em 1984, onde Joan Benoit Samuelson, atleta estadunidense, foi a campeã. Até então, médicos e organizadores defendiam a tese de que uma mulher não teria condições de concluírem uma maratona.  
  • Em 2004 aconteceu a  More Marathon, patrocinado pela revista More. Primeira prova da modalidade para mulheres com mais de 40 anos. Neste evento,  mulheres com idade inferior a 40 anos também podem correr. Mas fazendo a inscrição juntamente com uma corredora tenha mais de 40 anos.
  • Em 2004 os organizadores da Maratona de Los Angeles ofereceram um prêmio de US$ 25.000 e um carro novo para o primeiro colocado masculino e para a primeira colocada feminina, com um prêmio adicional de US$ 50.000 para o(a) primeiro(a) atleta que cruzasse a linha de chegada. O grupo de elite das mulheres largaria na frente dos homens, deixando aos homens o desafio de alcançar a primeira mulher antes que ela partisse a fita de chegada. Tatyana Pozdnyakova, uma maratonista veterana da Ucrânia,  cruzou a linha de chegada primeiro.
  • Atualmente a diferença de tempo entre os recordes mundiais em maratona masculino e feminino é de 12 minutos e três segundos: 2h03:28 Patrick Makau - Quênia / 2h15:25 Paula Radcliffe - Reino Unido
Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Maratona

Comente com o Facebook:

8 comentários:

  1. Adorei o review, parabéns! Muito interessante vermos como temos avançado contra discriminações de uma forma geral, principalmente com o exemplo de pessoas de personalidade e atitude como Kathrine Switzer. Já havia ouvido falar de sua façanha, mas não com os detalhes aqui apresentados. Estou abismada com a premiação diferenciada para a prova de BH. Como vem sendo discutido aqui,os organizadores precisam estar mais atentos aos interesses de quem realmente faz o evento - os corredores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Janaina, a prova não foi em BH, mas posso te mandar a cópia do regulamento, tanto para não constranger a organização, quanto para não dar ibope para uma corrida que diferencia classes.

      Excluir
  2. Bacana o post. Realmente é uma questão que precisa ainda de muita reflexão. O que temos sempre que fazer é lutar por nossos direitos.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. ..."Essa é uma luta de todos, tanto homens quanto mulheres."...
    Concordo plenamente! Kathrine teve muita coragem mesmo, uma guerreira.
    Agora parabéns aos homens sensíveis e inteligentes que a apoiaram, infelizmente são poucos. Apesar da raridade, Deus tem me agraciado e sempre encontro homens assim no meu dia a dia. Não vou dizer que nunca fui discriminada, como mulher, seria mentira, mas normalmente sou respeitada e aceita, às vezes até reverenciada, pela maioria em meu trabalho e no meu convívio familiar e social, Graças a Deus!

    ResponderExcluir
  4. Vivemos ainda em um mundo de preconceitos, poucas são as mulheres que possuem garra, fibra, que não esperam que outras pessoas faça por elas, que sonham e lutam para alcançar seus objetivos, que não esperam por um milagre, que não se importam se serão descriminadas pelo que querem alcançar ou pelo que fazem, seja na vida pessoal ou profissional. Mulheres com coragem, que brigam pelas suas conquistas, estudam, trabalham, brigam, amam sem medo em busca da felicidade e da realização!
    Conheço várias mulheres machistas.

    "... Sem mêdo de enfrentar,
    Sem receio de tropeçar.
    Com orgulho me aponto e digo...
    - Você é uma grande mulher.

    AMARILIS PAZINI AIRES "

    Ana Russo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Ana. Assim como existem homens que lutam pelos direitos da mulheres, também existem mulheres que alimentam o machismo. Por isso a luta tem que ser de todos mesmo.

      Concordo c Vc qdo diz q poucas são as mulheres possuem garra, fibra(...). Se Vc quer respeito tem que lutar por ele, pois ele não cai do céu.

      Excluir
  5. Ótima matéria Daniel. Muito bem escrita e detalhada com informações técnicas e história que quase não se consegue com essa riqueza de detalhes por aí. Concordo que ainda temos muitos machismos não só na corrida, mas na sociedade em geral. Machismo esse que muitas das vezes é alimentada pela própria mulher na criação de um filho machista...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito boa colocação sobre alimentar o machismo!

      Excluir