quinta-feira, 29 de agosto de 2013

316.224 Horas Sem Fumar, Estou Quase Chegando Lá! #1

Imagem:pordentrodo9dejulho


Por Daniel X.

Dia 29 de agosto é o Dia Nacional do Combate ao Fumo. A princípio, esse tipo de postagem deveria ser desnecessária a atletas, pois, o principal motivo da pratica do esporte é a melhora e manutenção da saúde, mas por incrível que pareça, conheço muito atleta que fuma. Inclusive corredores...
Além do mais, as postagens feitas neste blog não são voltadas somente a atletas.

Pesquisas mostram que, aproximadamente dez mil anos antes de Cristo, índios da América Central já utilizavam o tabaco rituais religiosos.
 Já na América Central  as formas mais antigas conhecidas do cigarro  são  do século IX na forma de cachimbos feitos de bambu. No Brasil o relato mais antigo é referente  aos índios tupinambás, em 1556.




Na imagem acima um vaso Maia do século X, no qual se pode observar uma espécie de charuto feito de folhas de tabaco amarradas com um cordel.

O cigarro começou a ser fabricado a partir de 1840 e, quarenta anos depois, foi criada uma máquina capaz de enrolar um grande número de cigarros por minuto, propiciando a sua popularização.

O tabagismo passou de um exótico hábito praticado pelos aborígenes sul-americanos, apreciado pelos europeus, a sinônimo de elegância/status séculos mais tarde, e hoje em dia, é alvo de grandes disputas judiciais, campanhas que combatem o hábito, e causa de seis milhões de mortes ao ano.

Atualmente, são aproximadamente 1,2 bilhão de fumantes em todo o mundo, sendo que 38 milhões vivem no Brasil.


Mapa da estatística mundial de países/número de cigarros por adulto anualmente (2013):
Cálculo: consumo anual de cigarros ÷ população

Quando sofri uma embolia pulmonar em 2012, muitas pessoas cogitaram que é melhor "aproveitar a vida do que ser atleta", e cheguei a ouvir: "é melhor viver como vivo, bebo, fumo, e nunca tive isso".
De vez em quando também ouço: "conheço uma pessoa que sempre bebeu, sempre fumou, e viveu até 120 anos!"
No meu caso, pelo menos em uma coisa todos os médicos que me atenderam foram unânimes, "você só não morreu porque é atleta".
E será que essa história de "bebeu, fumou, e viveu até 120 anos", procede/vale a pena? Será que viveu até os 120 com qualidade de vida?



O "The Lancet", um dos jornais médicos mais respeitados da Inglaterra, revelou através do artigo "Global Burden of Disease Study 2010", que a população de todo o mundo tem vivido mais, porém as pessoas têm levado um estilo de vida menos saudável. E o Brasil está inserido neste contexto mundial.

A partir deste estudo, pode-se deduzir que a população mundial estaria vivendo mais tempo, porém, mais doente.

Longevidade mas sem qualidade de vida.




Brasil no Ranking do Tabaco...

No ranking dos maiores consumidores de tabaco no mundo, o Brasil aparece na 94ª posição. Mesmo assim, um estudo da ACT (Aliança de Controle do Tabagismo), mostra que o tabagismo é responsável por 13% das mortes no País. São 130 mil óbitos anuais (350 por dia). 

Por outro lado, na lista dos maiores produtores de cigarro do mundo, o Brasil é "medalha de bronze".
Estimativa da produção de tabaco não processado por país pela Organização das Nações Unidas (2000):

A produção de fumo gera perdas para o país?

Se por um lado o tabaco gera lucros através de impostos, por outro, gera perdas para a economia do país devido aos efeitos colaterais sofridos pelos usuários do produto. Segundo o Banco Mundial, o consumo do fumo gera uma perda mundial de 200 bilhões de dólares por ano,  representados por:
  • sobrecarga do sistema de saúde com tratamento das doenças causadas pelo fumo
  • mortes precoces de cidadãos em idade produtiva
  • maior índice de aposentadoria precoce
  • faltas ao trabalho de 33 a 45% a mais
  • menor rendimento no trabalho
  • mais gastos com seguros
  • mais gastos com limpeza, manutenção de equipamentos e reposição de mobiliários
  • maiores perdas com incêndios
  • redução da qualidade de vida do fumante e de sua família.
Dados do Ministério da Saúde indicam que a fumaça do cigarro reúne cerce de 4.700 substâncias tóxicas diferentes, muitas delas cancerígenas.

Um estudo realizado pela Aliança de Controle do Tabagismo mostra os gastos que o tabagismo traz ao país:
O Brasil gasta em torno de R$ 21 bilhões no tratamento de pacientes com doenças relacionadas ao cigarro. O tabagismo é responsável por 13% das mortes no País. São 130 mil óbitos anuais, sendo (350 por dia). 

O estudo de carga do tabagismo analisou um total de 2.442.038 doenças. Deste total, 821,336 atribuídas ao tabagismo (Mapa do fumo no Brasil AQUI!).

Hoje, temos vários hospitais conveniados com o SUS que prestam todo atendimento aos indivíduos que querem deixar o cigarro. Na minha opinião é mais uma preocupação com os cofres públicos do que com a própria saúde do cidadão.
Mas de qualquer forma, acaba beneficiando a sociedade.

Aliança de Controle do Tabagismo - Locais de Tratamento: confira as clínicas cadastradas AQUI!

Além de todos os danos à saúde gerados pelo cigarro, o mesmo é considerado o maior poluente de ambientes domiciliares; é responsável pela derrubada de árvores e queimadas em prol do plantio do fumo e fabricação de lenha para abastecimento de fornalhas para o ressecamento das folhas; contamina os solos pelo uso de agrotóxicos; e é o causador de inúmeras queimadas, graças ao descarte indevido de suas bitucas.

Nazismo Vs. Tabagismo...(Não é um nenhuma apologia ao regime nazista!!!!!!!)

Movimentos anti-tabagistas cresceram em vários países a partir do início do século XX, mas estas tiveram pouco sucesso, a não ser na Alemanha, onde a campanha foi apoiada pelo governo, depois do Partido Nazista haver tomado o poder. Foi a campanha antitabagismo mais poderosa do mundo na década de 1930 e início da década de 1940.
A pesquisa sobre o fumo e seus efeitos na saúde também prosperaram durante o governo nazista sendo a mais importante de seu tempo, neste assunto. 
Os nazistas utilizaram várias táticas de relações públicas para convencer a população em geral da Alemanha a não fumar. Revistas sobre boa saúde bem conhecidas com a Gesundes Volk(Pessoas Saudáveis) ,Volksgesundheit (Saúde do Povo) and Gesundes Leben (Vida Saudável) publicavam advertências sobre as conseqüências de fumar para a saúde. Também cartazes mostrando os efeitos nocivos do tabaco eram exibidos nas cidades. Mensagens antitabagismo eram enviadas para as pessoas em seus locais de trabalho , muitas vezes com a ajuda da Juventude Hitlerista e da Deutscher Bund Madel (BDM). . A campanha antitabagismo realizada pelos nazis também incluía a educação sanitária.

Freud e sua fixação oral: seu inseparável charuto

O neurologista e criador da Psicanálise, Sigmund Freud, morreu de complicações devido a um câncer maligno na região maxilar, vindo a ser submetido a mais de trinta cirurgias no decorrer de sua vida. Após a retirada do tumor, Freud veio a usar uma prótese que lhe trazia algumas limitações na fala.
Algumas biografias contam que Freud sofreu muito pela doença em seus últimos 20 anos de vida, e que, após décadas lutando contra o câncer, solicitou aplicação de uma injeção letal de morfina e falecendo em 23 de setembro de 1939.





O "Marlboro Man" morreu de câncer...
O Marlboro Man era parte de uma propaganda de cigarro. Nos Estados Unidos, onde se originou a propaganda, foi ao ar de 1954 até o ano de 1999. O famoso caubói "Marlboro Man" foi criado por Leo Burnett em 1954. A propaganda da Marlboro, criada por Leo Burnett Worldwide, é tida como uma das mais brilhantes propagandas de todos os tempos.
Dois homens que apareceram na propaganda da Marlboro, no papel de "Marlboro Man", chamados Wayne McLaren e David McLean, morreram de câncer no pulmão.


Wayne McLaren, disse que fumava 1 1/2 maços por dia, durante cerca de 25 anos. Posteriormente foi diagnosticado com câncer de pulmão, se um tornando um ativista na luta anti-tabagismo. 
Morreu aos 51 anos.

Teste: o que você sabe sobre o câncer? AQUI!
Dicas para parar de fumar em áudio pelo Dr Drauzio Varella: 

Trocando o vício de fumar pelo de correr...

Luis Henrique Oliveira - Cardiologista e corredor:


"7320 horas limpo...305 dias...10 meses sem fumar...

E a incrível sensação de estar há apenas 2 meses para ser considerado ex-fumante pela Organização Mundial de Saúde! Irei fazer, no dia 04 de Agosto, a minha 30ª corrida e 5ª meia maratona. E pensar que há 10 meses atrás eu não conseguia correr 100 metros sem ter que parar pra descansar... O meu corpo me agradece por todas as mudanças! A corrida me tornou um novo homem e nas vésperas de completar 34 anos, a expectativa é que eu tenha muitas velinhas pra apagar nos anos que virão... COM TODO FOLEGO DO MUNDO!"

Em 1º de agosto de 2013, às vésperas da 12ª Meia Maratona de João Pessoa, da qual veio a quebrar seu recorde pessoal.







Fábio Namiuti - Maratonista, escritor, e analista programador:



"Não me perguntem como parei de fumar. Se eu for escrever um livro sobre isso, ele vai ter uma página. Talvez um parágrafo. 

Parei parando. Parei porque sou covarde, tive medo de morrer quando levei aquele susto e descobri que, com 31 anos, já tinha pressão alta, 18x12. Já havia tentado parar outras vezes, mas sempre por motivação externa, nunca uma que viesse assim de dentro para fora. Ainda bem que não foi um infarto ou um derrame. Larguei assim, num estalo, o "companheiro" de quinze anos. Não precisei de remédios, adesivos de nicotina, cigarros de mentira e nem de hipnose. Foi tão fácil que a única raiva foi não ter parado antes. Mas foi fácil porque eu quis de verdade, perseverei e tive ao meu lado um aliado fundamental: a atividade física. Fazer caminhadas, que mais tarde virariam corridas, ajudou demais. Não digo que troquei um vício por outro, porque esporte não é vício, é virtude. Todo mundo consegue. É só correr (talvez literalmente) atrás."






Daniel X. - Asmático, "maratonista", blogueiro...




"Asmático de nascença, se fumasse com certeza já teria colhido as complicações do fumo há muito tempo. Meu primeiro esporte foi o Taekwondo, que me ajudou muito com as crises de asma, mas depois virei sedentário.

Depois de muitos anos no sedentarismo, resolvi participar de uma meia maratona sem nem ao menos me preparar. Resultado:viciei em corridas. O cigarro? Ah, é! Na verdade, as 316.224 horas sem fumar, do título da postagem, se referem ao tempo da minha existência. 



Na modalidade ativa NUNCA fumei. Já na modalidade passiva, fumo todos os dias..."







Dica de filmeeeeeeee!
Obrigado por Fumar (★★★★☆)
Nick Naylor (Aaron Eckhart) é o principal porta-voz das grandes empresas de cigarros, ganhando a vida defendendo os direitos dos fumantes nos Estados Unidos. Desafiado pelos vigilantes da saúde e também por um senador oportunista, Ortolan K. Finistirre que deseja colocar rótulos de veneno nos maços de cigarros, Nick passa a manipular informações de forma a diminuir os riscos do cigarro em programas de TV. Além disto Nick conta com a ajuda de Jeff Megall, um poderoso agente de Hollywood, para fazer com que o cigarro seja promovido nos filmes. Sua fama faz com que Nick atraia a atenção dos principais chefes da indústria do tabaco e também de Heather Holloway, a repórter de um jornal de Washington que deseja investigá-lo. Nick repetidamente diz que trabalha apenas para pagar as contas, mas a atenção cada vez maior que seu filho Joey dá ao seu trabalho começa a preocupá-lo.


 “Eu sou a prova morta de que o cigarro vai matar vocês” 

Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. Sensacional. Vou reforçar minha palestra com argumentos desta postagem (com a sua licença, é claro!). Obrigado pela citação e espaço para o meu depoimento. Parabéns por compartilhar tanta informação importante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu é que agradeço. Tentei resumir ao máximo...

      Excluir